Image module

NOVOS TALENTOS DESENHAR

E quando a arte se encontra com o design? Na nossa opinião, encontro mais perfeito não há. No caso de Sandra Rosária, aluna do curso de Detalhamento Inteligente, no ano de 2020, essa combinação foi mais que natural.
“Sempre gostei de artes, desenhar, pintar e criar… Arquitetura e decoração estiveram
em segunda opção para mim”. Diante da multiplicidade, por que não unir tudo isso? Foi o que Sandra fez.
Primeiro, estudou Artes Plásticas e fez pós-graduação em Artes Contemporâneas na Escola Guignard. Depois, fez o curso técnico em Arquitetura e Design de Interiores no INAP.
Atuando como designer de interiores, a profissional busca em seus projetos trazer a simbiose entre a arte e a funcionalidade. Essa sinergia entre as duas áreas fica clara até pelas suas referências, que incluem Waltércio Caldas, Philippe Starck e Jacqueline Terpins.
Sorte de quem tem um projeto executado por você, Sandra. Porque concordamos que a vida com arte é muito melhor.
Image module

Novos Talentos Desenhar

Se tem algo que nos dá mais orgulho que uma aluna que faz um curso na Desenhar é uma aluna que faz VÁRIOS cursos na Desenhar. É o caso da Elaine Moreira, que de 2016 a 2021, adquiriu uma extensa lista de qualificações com a gente.
“Eu amo a metodologia e a didática da Desenhar. Fiz Aprovação na Prefeitura, Projeto Executivo, Layout Para SkechUp, Formei e Agora?, Revit e SkechUp”, relembra Elaine, nos dando um Feedback que amamos. Especialmente vindo de uma profissional que já atua no mercado e tem duas formações.
“Me formei em Design de Interiores em 2006 e Arquitetura em 2010. Ambos os cursos pelo Izabela Hendrix. Atualmente, desenvolvo aprovação de projetos na PBH e regularização em Belo Horizonte, Contagem, Esmeraldas, Ibirité e Lagoa Santa. Além disso, também atuo com projetos de interiores”.
Os projetos residenciais, aliás, são o que fazem o coração de Elaine bater mais forte. “Adoro trabalhar com interiores e também fazer projetos do zero e transformar sonhos em realidade! Ver a satisfação do cliente, faz com que eu me dedique cada vez mais para cada projeto, que é único e exclusivo para cada um. Meu maior desejo na arquitetura e no design é exatamente proporcionar ao cliente um lar que tenha sua identidade, seus valores afetivos, proporcionando harmonia e bem-estar!”.
Para executar seus projetos, a profissional que se interessou pela arquitetura desde a adolescência, tem um seleto grupo de inspirações. “Amo o arquiteto italiano Renzo Piano, uma arquitetura tecnológica e sustentável! O arquiteto Santiago Calatrava também. Ele tem projetos belíssimos com utilização de aço e vidro como matéria prima. A arquiteta iraquiana Zaha Hadid possui projetos mega futuristas, caracterizados por fachadas curvas e ângulo agudo e utilização de matérias primas como concreto e aço. Adoro também. Sem falar de inspirações brasileiras como Ruy Ohtake, que faz uma arquitetura inspiradora!”
Adoramos sua lista, Elaine, e assinamos embaixo!
Image module

Novos Talentos Desenhar

Renata Magalhães
Para a designer de interiores Renata Magalhães, cada família é única, cada casa é única e entender as particularidades de cada um é o desafio mais prazeroso de sua profissão.
“Meu maior desejo como designer é poder realizar o sonho da ‘casa ideal’ para cada família, alinhando estética, funcionalidade e conforto de acordo com o dia a dia delas. Gosto também de mostrar que nem sempre é preciso investimentos altos para fazer transformações incríveis”, explica a profissional que se formou no INAP, em 2012.
Para se aperfeiçoar na entrega de projetos que seguem esse propósito Renata cursou na Escola Desenhar as disciplinas Detalhamento Inteligente com Layout do SketchUp e Projeto Executivo.
Além de estar em frequente atualização, a profissional tem sua lista de inspirações. “Me inspiro em nomes como Eduardo Muzzi, Renata Pocztaruk (@clubarqexpress), Lícia Cani, são profissionais que admiro pelo estilo prático, belo e funcional de seus projetos, bem parecido com os que eu busco desenvolver”.
Com diversos projetos em andamento, Renata reconhece que os residenciais são seus queridinhos, mas que as demandas por projetos comerciais também são frequentes.
Ainda bem, Renata, pois seus projetos são lindos e todas as áreas merecem ser contempladas.
Image module

Novos Talentos Desenhar

Mesmo tendo se formado há pouco tempo, em 2019, a arquiteta Ana Clara Gontijo já está à frente do seu próprio escritório, no qual vem executando, sobretudo, projetos residenciais, com foco em interiores.
A coragem em empreender é a mesma da menininha que, quando estava na escola, surpreendeu a professora com uma resposta um tanto técnica. Ao questionar para os alunos “o que é perspectiva”, a professora ouviu de Ana Clara: “É aquilo que dá profundidade aos desenhos”. Uma resposta que já revelava uma aptidão. “Nessa época eu já gostava de desenhar, principalmente coisas em perspectivas. Sentava na sala de TV e ficava desenhando os móveis”.
A vocação, associada à influência dos pais, fãs de decoração e antiguidade, foram os primeiros sinais de que Ana Clara caminharia rumo à arquitetura. A decisão, porém, só ficou evidente durante uma viagem. “Fui para os Estados Unidos e fiquei na casa de uma amiga que projetava casas. Voltei de lá decidida a cursar arquitetura”.
E assim foi feito. Além da faculdade cursada no Izabela Hendrix, a profissional fez pós-graduação em Design de Interiores e Produção do Espaço, pelo IPOG e uma lista generosa de cursos na Escola Desenhar:
– Autocad
– SketchUp e VRay
– Revit
– Photoshop
– Lumion
– Detalhamento Inteligente Usando layout de Sketchup
– Aprovação de Projeto na Prefeitura
– Projeto Executivo
– Formei, e agora?
A dedicação aos estudos trouxe para a vida de Ana Clara algumas inspirações. “A Juliana Stark, da Escola Desenhar, e a Mirella Corrêa, que me deu aula na pós são duas profissionais que admiro muito, ao lado de ícones como Lina Bo Bardi, Santiago Calatrava e Zaha Hadid”.
Quando questionada sobre qual é seu maior desejo na profissão, a arquiteta é enfática: “Meu maior desejo é que as pessoas entendam que a arquitetura vai além de um ‘projetinho’ e que pode ser acessível para todos. Contratar uma arquiteta para executar o projeto de um sonho não é um gasto desnecessário, mas sim sinônimo de execução de algo único, de qualidade e que vai durar por muito tempo, além de gerar economia na obra, em média 30% a menos de gastos”.
Concordamos plenamente, Ana Clara!
Image module

Novos Talentos Desenhar

Nem sempre é fácil fazer uma escolha profissional, especialmente quando todos os caminhos apontam para uma mesma direção (que não é exatamente a que você quer).
Foi assim com a arquiteta Cristiane Lopes que, morando em Ouro Preto, já tinha até emprego garantido caso cursasse Engenharia de Minas. “Porém, minha vontade de fazer parte do sonho de muitas famílias era maior. Os arquitetos conseguem ver os frutos de seu trabalho de uma forma clara e isso para mim sempre foi sensacional”, explica Cristiane que acabou ingressando em arquitetura na UFOP e não se arrependeu. “No decorrer da graduação não restou dúvidas de que eu havia feito a escolha correta, é um curso intenso mas extremamente prazeroso e gratificante”, avalia.
Formada em 2018, a arquiteta inaugurou, em junho de 2021, seu próprio escritório, Cris Lopes e Interiores, após reunir uma bagagem de outras experiências profissionais na área e uma série de cursos de especialização. Só na Escola Desenhar, foram quatro:
Detalhamento Arquitetônico
Revit
Formei, e Agora?
Projeto Executivo
A cada novo conhecimento adquirido, a cada nova experiência vivida, uma certeza se cristaliza na trajetória de Cris: “Amo projetos residenciais! Eles me permitem fazer o que me atraiu no curso que é sonhar com cada família que me procura. E dentro do projeto residencial, o ambiente que tenho muito carinho e amo projetar são os quartos infantis. Amo a liberdade de projetar para crianças, a imaginação voa. Até choro quando vejo a reação delas ao entrar no quartinho… é simplesmente incrível”.
E sabe o que é incrível para nós, Cris? Ver uma profissional trabalhar assim, com o coração. A Engenharia de Minas perdeu um grande talento. Ainda bem! Sorte da Arquitetura!
Image module

Novos Talentos Desenhar

A arquiteta Lorena Braga, formada em 2019 pelo Izabela Hendrix, se define como uma pessoa com sede de conhecimento. E nós, da Escola Desenhar, somos os primeiros a assinar embaixo de tal afirmação. Só aqui ela já cursou:
Pós-produção com Photoshop
Humanização de Planta Arquitetônica com Photoshop
Vray
Revit
Lumion
Vamos Projetar – Detalhamento de Interiores
Formei e Agora?
Detalhamento Inteligente Usando o Layout
Representação Técnica de Projeto Executivo de Arquitetura
Ufa! Cansou só de ver essa lista? Pois Lorena nunca se cansou. Conciliou a faculdade com o trabalho de técnica em enfermagem num hospital e, muitas vezes, chegava à Escola Desenhar para as aulas após um extenso plantão de 12 horas. Apesar da rigidez na rotina, a profissional sempre teve convicção acerca da importância do conhecimento e de todas as possibilidades que lhe seriam abertas a partir disso.
Aquele, afinal, era um sonho alimentado desde a infância. “Quando eu era criança, morava com minha família no Jardim Canadá. Diante da necessidade de regularizar a casa junto à prefeitura, precisamos contratar uma arquiteta. Ver o projeto sendo executado me fascinou. Meu pai trabalhava numa conceituada loja de móveis. Ele me contou que a sua chefe também era arquiteta e que, em vez de desenhar casinhas, ela desenhava os móveis para as casinhas. Eu lembro de ouvir aquilo com os olhos brilhando”.
À medida em que foi crescendo e pesquisando mais sobre arquitetura, Lorena se sentiu ainda mais atraída pela profissão. Até mesmo a decisão de fazer um curso técnico em enfermagem foi uma estratégia rumo ao seu sonho. “Fiz um curso técnico para poder pagar a faculdade”.
Atualmente, Lorena trabalha no escritório Luana Bastos Arquitetura, em Itabirito, sua cidade natal, e presta serviços para outros profissionais. “Minha chefe é uma das minhas inspirações na arquitetura. Aliás, minhas inspirações, quase todas, são mulheres, fortes e empreendedoras. Além da Luana destaco a Juliana Stark, a Camila Cravo, a Larissa Reis, a Rafa Brasileiro (Bora na Obra), Imira de Holanda (Studio M4). Elas são demais e me inspiram. Eu sempre penso: se elas conseguem, eu também consigo”.
Claro que consegue!
Image module

Novos Talentos Desenhar

O arquiteto Arthur Cavalcante, é ex aluno raiz da Escola Desenhar. Estudou conosco em 2014, quando a escola ainda era na Savassi, realizando o curso de Revit. Este ano, tivemos o prazer de tê-lo novamente entre nossos alunos, para o curso de Detalhamento Inteligente.
Formado em Arquitetura pela Fumec e com pós em Arquitetura de Interiores e Paisagismo pela UNA, ele é desses que busca o conhecimento como uma base sólida para a sua carreira. “Penso em fazer um mestrado e algum curso ou vivência no exterior para entender diferentes formas e métodos de projetar e ver como isso pode ser aplicado por aqui”, releva o jovem arquiteto que defende com convicção a importância dos estudos para o aperfeiçoamento profissional. “A pós-graduação, por exemplo, foi fundamental para ampliar minha visão de todos os aspectos de um projeto, ampliando meus conceitos sobre projetos residenciais, comerciais e corporativos, além de me apresentar a novas áreas como cenografia e arquitetura efêmera”.
O TCC da pós, aliás, plantou em Arthur ideias para o futuro. “Meu TCC foi sobre o impacto das cores nos ambientes e como isso pode mudar a percepção das pessoas. Gostaria de transferir esses conceitos para todas as áreas de um projeto, desde a iluminação até o mobiliário”, explica o jovem arquiteto, que busca referência em ícones da profissão. “Admiro o trabalho do Maurício Arruda e a forma como ele encontra de valorizar o design brasileiro e criar soluções práticas e funcionais, gosto também dos projetos do Calatrava e do Norman Foster”.
Referências que revelam o quanto a criar é algo que faz parte do DNA de Arthur. Um ímpeto que vem desde criança, quando adorava o jogo The Sims. “Sempre gostei mais da parte de construir as casas do que a parte do jogo em si”. A gente te entende, Arthur!
Image module

Novos Talentos Desenhar

Imaginem vocês, que estão na faculdade de arquitetura agora, desenhar à mão e passar as pranchas de projeto a limpo! Hoje em dia, parece inimaginável. Mas é assim que começa a história do arquiteto Mozart Vidigal, em 1987, quando cursava a Escola de Arquitetura da UFMG.
A precisão técnica para desenhar, aliás, foi o que deu o pontapé inicial na carreira de Mozart que, em 1989, abriu um pequeno escritório de desenho para prestar serviço aos arquitetos já consagrados na época.
De lá para cá, são mais de 3 décadas executando projetos comerciais, residenciais e corporativos, nos quais deixa sua assinatura contemporânea. “Antes de tudo, meu estilo é o estilo do meu cliente. É no briefing que busco minha maior inspiração. Mas o que realmente rege o meu trabalho é a arquitetura contemporânea, por mais que eu possa transitar por outros estilos, de acordo com a demanda do projeto”.
Um de seus projetos mais marcantes, aliás, veio de uma demanda bem específica. “Uma cliente mineira, que vive há muitos anos nos Estados Unidos, me contratou para executar uma casa na Califórnia, projeto que aconteceu entre 2014 e 2016. Foi uma experiência muito interessante. Lidar com tecnologias e métodos construtivos diferentes. Estar em contato com fornecedores que até então eu só conhecia das revistas e também poder experimentar relações profissionais tão diferentes das que estabelecemos aqui. Foi incrível”.
Assim como ter a oportunidade de executar projetos em outras culturas, Mozart acredita que os estudos também são fundamentais para que o arquiteto se torne um profissional cada vez melhor e com senso crítico mais apurado. Para ele, que está cursando um doutorado na UFMG atualmente, esta é a melhor forma de exercitar o senso crítico e a criatividade. Não por um acaso, ele já até foi aluno de um curso na Desenhar. “Fiz SketchUp com a professora Dayane e foi sensacional. Até hoje, ela está sempre disponível para me ajudar, caso eu tenha alguma dúvida. Terminando meu doutorado, pretendo voltar para outros cursos”.
Estamos te esperando, Mozart!
Image module

Novos Talentos Desenhar

João Victor Vidal é estudante de arquitetura, na UNA, e se formará no segundo semestre de 2023. Os quase dois anos que o separam do diploma, porém, não são impedimento para que ele já demonstre a atitude e a maturidade de um profissional.
No Instagram, já possui um perfil dedicado aos seus trabalhos de arquitetura (vale a pena conferir: @manoa.arq), no qual revela não apenas um indiscutível talento como uma aptidão para, no futuro, realizar seu desejo de gerir seu próprio escritório.
Esse entusiasmo pela arquitetura surgiu quando João ainda era criança. “Sempre me interessei bastante por obra. Meu avô me levava para passar fiação elétrica em construções e eu adorava. Depois fui conhecendo melhor a área e me apaixonei”, relembra o estudante, que não esconde sua predileção por projetos de interiores, cenografia e corporativos.
Além da faculdade, o futuro arquiteto lapida suas preferências na área estagiando (já passou pelo escritório Insight Arquitetura e hoje está no Grupo Arquitetos e Urbanistas) e realizando vários cursos aqui na Escola Desenhar. “Já fiz o curso de layout para Sketchup, Detalhamento Inteligente e participei do Workshop de Criatividade com o José Lourenço”, enumera João.
O resultado da sua busca por conhecimento e aperfeiçoamento é nítido em seus projetos, já tão profissionais. E nós, que estamos acompanhando esta trajetória, nos enchemos de orgulho.
Image module

Novos Talentos Desenhar

Criatividade é palavra de ordem na vida do arquiteto José Lourenço. Não por um acaso, ele foi nosso convidado para ministrar nosso primeiro workshop sobre o tema, realizado no início deste ano.
Como o próprio arquiteto ensina, a criatividade pode ser aperfeiçoada a partir de uma série de técnicas. Mas uma coisa é fato: nossas vivências e nossa forma de nos relacionar com o mundo é um componente fundamental para o desenvolvimento de mentes mais criativas. E o que não falta a Lourenço é repertório.
O arquiteto é português mas, por uma casualidade, nasceu em Hong Kong. Em Portugal, viveu em Lisboa (onde se formou na faculdade de arquitetura) e Guimarães e, antes de desembarcar no Brasil, cinco anos atrás, teve passagens também por Macau e Milão (onde se especializou).
Quando desembarcou por aqui, Lourenço já acumulava um portfólio de mais de dez anos de projetos realizados em Portugal e em outros lugares do mundo, como um hotel, na Angola.
Essa experiência de estar sempre testando seu olhar estrangeiro, certamente contribui para lapidar a criatividade do arquiteto. Além de dezenas de projetos residenciais e comerciais já executados aqui no Brasil, nos últimos 3 anos, o profissional integrou o elenco da CASACOR Minas com projetos ousados e instigantes, que reverenciavam Minas Gerais, a terra que o acolheu, mas que também evidenciavam toda a sua bagagem de “cidadão do mundo”.
Recentemente, Lourenço inaugurou o Cria Lab (@_cria.lab_), um laboratório dedicado ao design de produto e à produção de peças assinadas em cocriação com outros profissionais. Com sede no Mercado Novo, o Cria Lab será vizinho de vários outros empreendimentos assinados por Lourenço, que, está executando diversas obras no local mais efervescente de BH.
Enquanto a criatividade impulsiona o arquiteto à elaboração de projetos ousados e inventivos, um outro fator do qual ele não abre mão torna o seu negócio eficiente: a gestão. “Além de ser um criativo, o arquiteto deve também ser o gestor do projeto. Essa é a minha forma de trabalhar. Estou envolvido sempre em todas as etapas, gerenciando cada processo. Com isso, antecipamos riscos, reduzimos custos e encurtamos prazos”, finaliza o profissional.
Image module

Novos Talentos Desenhar

Pense numa criança cuja brincadeira preferida seja desenhar plantas para a casa da Barbie. Pensou? Pois é. Difícil imaginar que, ao crescer, essa criança siga um caminho que não seja a arquitetura, não é verdade?
Essa é a história da arquiteta Maria Laura Almeida, que resume bem essa conexão com a sua profissão: “Eu não decidi estudar arquitetura. A arquitetura que decidiu entrar no meu coração antes mesmo de eu saber o que ela significava”, declara-se.
A paixão já estava li desde sempre. A decisão veio no ano do vestibular quando, ao pesquisar sobre as suas possibilidades, Maria Laura compreendeu que ser arquiteta era um destino inevitável.
Em 2014, ingressou no curso de arquitetura na UNI BH e, já no mesmo ano, fez seu primeiro curso aqui na Escola Desenhar, o AutoCad. “Eu fiz também o curso de Revit, em 2016. Logo que formei, no início de 2019, fiz o de SkethUP+Vray, um minicurso de Photoshop e o curso de Detalhamento Inteligente. Além disso, sempre participo das palestras e WorkShops que a Desenhar oferece”.
Durante o período da faculdade, além dos nossos cursos, Maria Laura também fez estágios em construtoras com foco no urbanismo. Devido a isso, sentiu que precisava de uma maior capacitação na área de interiores. “Por isso, decidi fazer uma especialização na UNA em Arquitetura de Interiores e Paisagismo e, inclusive, tive a Juliana Stark como orientadora do meu TCC”, conta a arquiteta que também sonha em ser professora um dia.
Após concluir sua especialização, surgiu a oportunidade de ingressar o time do escritório Tânia Salles, onde está até hoje. “Paralelo a isso, tenho meu escritório MLarq, em sociedade com a arquiteta Mayara Lopes”, conta.
Este é o primeiro passo de outro sonho profissional de Maria Laura. “Quero abrir meu próprio escritório físico, empreender principalmente para pessoas de baixa renda ou classe média (gosto de achar soluções inusitadas e baratas para deixar o lar das pessoas ainda mais lindo e prático) e também fazer parte do time de arquitetas aqui de BH que tanto admiro”.
Maria Laura, saiba de uma coisa: você tem talento, foco, paixão pela arquitetura e sonhos nobres no seu coração. Portanto, você já faz parte desse time
Image module

Novos Talentos Desenhar

A carreira da designer de interiores Ju Novaes é marcada por paixão e coragem. Não é simples mudar de profissão, abandonar uma formação anterior e começar em outra área do zero especialmente tendo uma filha que acabou de nascer.
Mas foi exatamente o que Ju decidiu fazer, oito anos atrás, quando sua filha nasceu. “Eu queria ter outra profissão onde, além de poder conciliar minha agenda de mãe, eu pudesse também trabalhar com paixão. E foi aí que o design de interiores entrou na minha vida”. Com essa decisão em mente, a profissional formou-se no INAP onde, posteriormente, também atuou como professora.
O nascimento da filha e a imersão no universo infantil a influenciou não apenas a mudar de carreira como também a focar em um nicho específico, decisão que também requer coragem, mas que só aconteceu em 2019. Apaixonada pelo universo dos pequenos, Ju realizou na mostra Morar Mais, de 2019, o Quarto da Menina (em parceria com Giane Duarte e Letícia Figueiredo). O projeto recebeu dois prêmios, sendo o impulso que a profissional precisava para assumir a especialização. “Os projetos que mais me realizam são os infantis: quartos, brinquedoteca, lojas especializadas, espaços kids em condomínios. São sempre projetos leves e divertidos, com muito foco nos detalhes e cuidado com a ergonomia das crianças”.
Outra grande realização de Ju é a docência. Além de ter dado aula de SketchUp no Inap por dois anos, a designer integra o time da Desenhar, dando aula nos cursos de SkechUp e Canva Para Currículos e Portfólios. “Tive a oportunidade de fazer vários cursos na Desenhar como aluna e é uma prazer estar na escola hoje como professora”.
Para além do conhecimento técnico, Ju inspira seus alunos a seguir suas paixões e a focar suas carreiras naquilo que realmente faz o coração bater mais forte, como ela fez ao focar no design infantil.
Alguns destes projetos foram realizados em parceria com JL Interiores.
Image module
Image module

Novos Talentos Desenhar

O que diferencia um jovem recém-formado de tantos outros que chegam ao mercado a cada semestre? Bom, quando um estudante procura a Escola Desenhar, já conseguimos enxergar nele fatores cruciais de diferenciação: interesse, desejo de se aperfeiçoar, sede de conhecimento.
É impossível não estar atento e não admirar jovens profissionais como a arquiteta Thais Frauches. Formada pela Universidade Fumec em 2019, Thais passou pela Escola Desenhar em diversas disciplinas antes e depois de formada:
Cursou Sketch Up (Professor Rodrigo), Lumion (Professora Daiane), Detalhamento Arquitetônico (Professora Mônica Murari), Formei e Agora? (Professoras Juliana Stark e Juliana Cordeiro), Planta Humanizada (On-line), Detalhamento no Layout (Professora Kelly), Projeto Executivo (Juliana Stark) e Workshop Ser Criativo (Arquiteto José Lourenço).
Não por um acaso, mesmo com pouco tempo de formada, Thais já trabalha de forma autônoma, integrando um escritório em parceria com profissionais da engenharia. “Realizamos obras juntos e tenho a oportunidade de acompanhar o desenvolvimento do projeto junto com a execução, desde o preparo do terreno, demolição e etapas iniciais de obra, até a finalização dos acabamentos e marcenaria. Faço projetos arquitetônicos de interiores, principalmente residenciais”, explica a arquiteta mostrando que, tudo o que aprendeu na universidade e na Escola Desenhar já está sendo devidamente colocado em prática.
À sua bagagem, soma-se também a admiração por profissionais que vem cruzando seu caminho. “Minhas inspirações na arquitetura são diversas. Gosto de ver um pedacinho em cada um, e me inspirar formando quem sou profissionalmente. Alguns deles: Mônica Murari, Juliana Stark, Carol Cantelli, Eduardo Muzzi, José Lourenço, Camila Cravo, dentre outros”.
Enquanto Thais se inspira, muitos desses profissionais, que foram seus professores, se orgulham da profissional que ela se revela, cujo maior desejo hoje é seguir executando projetos residenciais e fazendo parte da realização do sonho de muitas famílias.
Temos a certeza de que este é só o início de uma trajetória brilhante!
Image module

Novos Talentos Desenhar

Quando você teve a certeza de que queria seguir a carreira que você tem hoje?

Para a arquiteta Thalita Mattos, o insight surgiu na adolescência, após um apartamento antigo adquirido pelos seus pais ser reformado. “Ter tido essa experiência de ver um local `feio´, `velho´, no qual não me imaginava vivendo, se transformar em um lar lindo, fonte de orgulho e que gerava identificação e pertencimento, mexeu muito comigo. Nesse momento tiver certeza que queria ser arquiteta”, relata a profissional que atua na área desde 2009.

A experiência pessoal, fez com que Thalita nutrisse uma paixão especial pelos projetos de reforma que, segundo ela, deixam ainda mais evidente o quanto a arquitetura pode transformar positivamente a vida das pessoas.

Por trás dessa profissional afetiva e apaixonada, há também uma arquiteta com apuro técnico e em constante atualização. Não por um acaso, ela foi uma de nossas alunas no curso de Layout do SketchUp. “Foi uma experiência incrível. Aula extremamente didática, com metodologias ativas onde aprendemos fazendo. O curso me deu a segurança para implementar o software na mesma semana no meu escritório”, relata ela que também frequenta as salas de aula como professora universitária no curso de arquitetura. “A experiência em sala de aula é extremamente enriquecedora. Ela nos motiva a estudar mais para nos manter atualizadas e também traz repertório. É incrível o tanto que aprendemos com os alunos!”.

A profissional, hoje, se divide entre a vida acadêmica e o escritório do qual é sócia, o Estúdio Nova, que foi inaugurado no ano passado. Antes de seguir à frente de seu próprio escritório, Thalita atuou por quase dez anos na equipe da arquiteta Ângela Roldão, pela qual nutre profunda admiração. “Ângela Roldão é a maior de todas. Poder vivenciar de perto o seu processo criativo foi extremamente enriquecedor”.

Assim como Ângela inspirou Thalita, hoje, certamente, Thalita é fonte de grande inspiração para os jovens arquitetos que tem a sorte de cruzar o seu caminho.

 

 

Image module

Novos Talentos Desenhar

Aluno da Escola de Arquitetura da UFMG, Rodrigo Quirino vem chamando nossa atenção, desde que, no ano passado, integrou as turmas de dois dos nossos cursos: o Autocad e o Detalhamento Inteligente. No estágio – atualmente Rodrigo integra o time do escritório Borges Godoy Arquitetura – não é diferente. A precisão técnica e o cuidado com o qual se dedica, sobretudo aos projetos executivos, rende elogios.

Rodrigo é assim. Responsável, dedicado, criativo, técnico e, sem dúvidas, com um olhar diferenciado sobre a arquitetura como elemento transformador. “Ainda no ensino médio, ficava desenhando prédios pensando se um dia eles poderiam se tornar reais. Quando ando pela cidade, sempre fico pensando como a infraestrutura urbana poderia melhorar a vida das pessoas e escolhi o curso assumindo como um dever esse papel de tentar dar a melhor qualidade de vida possível para as pessoas”.

Quando pensa em projetos residenciais, ele destaca o interesse por ambientes que contem sobre a história de cada morador. O que o motiva e o inspira é a relação que cada pessoa é capaz de estabelecer com o espaço e os momentos de alegria que podem ser vividos ali.

Seu maior interesse, porém, é mesmo pela área de infraestrutura urbana. “Venho me sentindo inspirado pelo viés do design universal, um ramo interdisciplinar que na arquitetura preza muito pela acessibilidade, promovendo o acesso de todas as pessoas, independente de suas necessidades, aos objetos arquitetônicos — sinto que essa área leva dignidade às pessoas, lhes proporcionando condições igualitárias de acesso às edificações e equipamentos urbanos”, analisa o estudante que, embora se forme ainda em 2024, já aponta para uma trajetória de sucesso.

“Quero poder dar o meu melhor sempre, tentando aliar o máximo possível todas as condicionantes que um projeto envolve: questões climáticas, de localização, de implantação e desejo do cliente! Quero poder assinar um projeto e ter a sensação de dever cumprido, de orgulho do meu trabalho”, revela.

Rodrigo, pode ter certeza, este momento irá chegar como consequência natural do profissional brilhante que você já é!

 

 

Image module

Profissional Inspiração Desenhar

 

Será que o ambiente em que somos criados interfere nas nossas escolhas profissionais? No caso da designer de interiores Kelly Rocha, podemos dizer que o ambiente, no mínimo, fez aflorar um talento . Ao acompanhar as constantes reformas e transformações na casa onde cresceu, ela despertou para o interesse de observar o quanto um espaço pode interferir na qualidade de vida das pessoas que o ocupam.

Uma vez decidida a estudar Design de Interiores, Kelly logo percebeu que um dos principais atributos para se tornar uma profissional qualificada era a constante atualização. “Não dá para ficar parada. O aprendizado tem que ser constante”. Entusiasta do aprendizado e do conhecimento, não é de se surpreender que a profissional tenha identificado também a vocação do ensinar. “Quando tive a oportunidade de ensinar para uma estagiária, percebi o quanto essa troca é gostosa. É primordial acreditar na sua capacidade de tornar a vida de alguém melhor por meio do seu conhecimento”.

Com essa entrega, Kelly se tornou referência dos alunos da Escola Desenhar, como professora do curso de Detalhamento Inteligente. Em suas aulas, além do conhecimento técnico, ela se aproxima dos seus alunos trazendo sua bagagem de escritório. “O que mais me preocupa ao executar os projetos é em atender as preferências e necessidades de cada família. Quero sempre traduzir no projeto o que é ideal para aquela rotina, para aquela vida”.

 

 

Image module

Novos Talentos Desenhar

 

Se tem algo que nos enche de orgulho aqui na Desenhar é acompanhar a trajetória de estudantes que se empenham em vários dos nossos cursos. São jovens profissionais que já demonstram total interesse em adquirir o máximo de conhecimento, em lapidar os recursos oferecidos pelas faculdades e em chegar ao mercado o mais preparado possível.

Isabela Campolina é um exemplo deste referencial de aluna. A formatura no curso de Design de Interiores, pela UNA, ainda acontecerá no final do ano, mas os cursos concluídos aqui na Desenhar já foram quatro: Sketch-Up, V-Ray, Detalhamento Inteligente e Projeto Executivo. Para o projeto executivo, aliás, Isa revelou um primor técnico incrível!

Um embasamento que já permite que a profissional execute projetos dentro do ambiente acadêmico mostrando que, definitivamente, escolheu o caminho certo. As obras em 3D manifestam o talento. Um talento que Isabela pretende dedicar em especial aos projetos residenciais, como são a maior parte das obras desenvolvidas pelos escritórios Doma Arquitetura e Doppio Arquitetura, exemplos de empresas que a estudante tem como inspiração.

Para além da busca por conhecimento e da paixão adquirida pela profissão já nos primeiros meses de curso, Isabela traz ainda uma habilidade que, injustamente, não é apresentada em currículos, mas que faz toda a diferença: a sensibilidade e a empatia. Entende os projetos de interiores como sonho dos clientes e sabe que seu conhecimento precisa trabalhar em função da realização desses sonhos.

Sorte dos clientes que, muito em breve, encontrarão a Isa pelo caminho.

 

 

 

Image module

Desenhar 2021

Eu precisei de um tempo para escrever os planos para 2021. Não que fossem difíceis de serem identificados…não…é que eu estava exausta. Precisava parar, respirar, mudar o astral, recarregar energia para fazer melhor e mais bem feito sabe?

Pensei muito durante todo o ano passado e sabia que para 2021 minha meta seria desatar nós. Nós mesmo, aqueles que amarram, não deixam fluir…

Ouvi muitos alunos e colegas de profissão. As queixas são muitas, mas algumas se repetem com muita frequência. E nem são novidades, nem para mim nem para você. Mas eu continuo incomodada e querendo fazer cada vez mais para deixar fluir, crescer, desenvolver.

Bom , basicamente 3 queixas estão me incomodando mais. Vou focar nessas 3 nesse ano de 2021.

  1. Novos profissionais estão chegando sem prática no mercado. Prática de projeto executivo, prática de detalhamento, dia a dia de escritório, obra, vida real.
  2. Preços absurdos dos softwares
  3. Dificuldade de muitos escritórios em migrarem para o BIM.

 

Então vamos lá:

Em relação a primeira queixa, da falta de prática dos alunos e novos profissionais, a Desenhar agora, mais do que nunca, vai focar em cursos práticos, ou seja, mão na massa. Projeto executivo, projeto legal, detalhamento, gestão, empreendedorismo, marketing… FOCO TOTAL.

Para isso, você continua precisando aprender as ferramentas antes: cad, sketch, bim, render. Mas não adianta saber softwares se não souber o que fazer como eles. Sabe CAD e Sketch mas não sabe como fazer um projeto executivo, um projeto legal ou um projeto de detalhamento? Para a vida real, não adianta.

Queixa número 2: preço dos softwares. Essa está me engasgando há anos e eu venho pensando muito sobre isso. “Como comprar softwares se meu escritório está só começando?” “Como crescer meu escritório e equipe se vou precisar de vários computadores e softwares?”

Verdade gente…quem está entrando tem dificuldade de começar e quem está no mercado há muito tempo tem dificuldade de crescer. São muitos softwares e são caros.

Decidi me comprometer a experimentar outras opções de mercado e novas maneiras para tentar reduzir o número de softwares necessários. Vou explicar. Sabia que existem outros softwares do tipo CAD além do AutoCad? sim, existem e muuuuito mais baratos. Eu nunca usei, confesso. Já disse inúmeras vezes que sou uma apaixonada pelo AutoCAD. Há anos…

Mas me comprometo a experimentar outros. Vou avaliar pros, contras, vantagens, desvantagens, semelhanças e diferenças. Serei sincera na minha avaliação. A ideia é buscar alternativas mais viáveis financeiramente.

Por fim…essa queixa vem dos profissionais: sabe aquela dificuldade de migrar de vez seu escritório para o BIM? Recebo tanto essa queixa…treinar equipe, pegar prática enquanto o escritório não pode parar? A sensação é de trocar o pneu com o carro andando. É isso mesmo! Isso também está engasgado aqui… então prepare-se: vamos te ensinar a usar o SketchUp como BIM. É isso mesmo. O bom e velho sketchup que você ama e domina. Vamos te ensinar a configurar o seu modelo de acordo com o padrão IFC. IFC é um formato aberto, que virou padrão internacional para troca de modelos e conteúdos entre diferentes software BIM durante todas as fases de projeto, execução e gerenciamento. É possível? Sim! É possível.

Olha como tudo isso começa a fazer sentido…se começo a usar o sketch para fazer detalhamento usando o layout, se começo a configurar meu modelo como BIM para que eu consiga trabalhar de forma  colaborativa simultâneamente e consiga gerar tabelas quantitativas, por exemplo, eu já não tenho aí um excelente custo benefício usando um único software.

“ ah mas sem CAD não fico…” ok…eu também não. Mas que tal experimentarmos outra opção de software CAD mais barato?

É isso…tem coisa que não cabe mais no mundo atual né?

Palavras para 2021:

-Economia

-Consciência

-Ética

 

Um excelente novo ciclo para todos nós.

 

Image module

Adeus 2020.Foi difícil sim! Quem há de falar que não?

Um ano completamente inesperado. E ser pego de surpresa, quando a surpresa é desagradável é chato pra caramba. Saímos do prumo, aquele susto que te tira o chão e dá frio na barriga…incerteza, insegurança. Medo da doença, medo da situação financeira…MEDO.

A atenção teve que ser redobrada. Não esquecer a máscara, lavar as mãos, trabalhar duro e com cuidado, inventar novas estratégias, aprender um mundo de coisas novas. Liga o som, liga vídeo, agora desliga som e vídeo, compartilha tela, desenha com o mouse, faz cursos e reuniões online…

Alguns saíram ilesos, sem nenhum problema de saudade com familiares e amigos, outros não podem comemorar…

O cansaço de final de ano é normal. É sempre assim. Mas 2020 teve uma carga maior. O cansaço psicológico parece que tá sufocando a gente né? NORMAL!

Então vamos descansar? Estamos todos precisando.

A Desenhar física está entrando de férias e volta no dia 4 de janeiro. Mas a Desenhar online…ahhh essa não tira férias. Tá lá 24 horas por dia, 7 dias por semana. Mas nós aqui, reles mortais vamos nos desconectar por alguns dias.

Então se quiser aproveitar esses dias de paz para aprender Cad, Sketch, Revit, ou se preparar para abrir sua nova empresa em 2021, tem curso online com qualidade Desenhar te esperando. Os links estão na Bio ou no site.

DESACELERE. DESCANSE. VOCÊ PRECISA E MERECE.

E prepare-se porque a Desenhar 2021 está melhor ainda…

 

 

Image module

Será que vale a pena fazer um curso online?

É melhor fazer um curso presencial ou online?

Duvidas tão pertinentes nos dias de hoje…

Com o avanço da tecnologia, estamos cada dia mais conectados e usando recursos digitais para facilitar a nossa vida. É ou não é?

O mundo esta cada vez mais digital e grande partes das tarefas do dia a dia podem ser feitas pela internet sem necessidade de deslocamento fisico. Cá pra nós, uma delicia né? Nesse mundo cada vez mais doido, corrido, de transito caotico…

A gente resolve, compra, reune, discute, tudo virtualmente.

Maaas…quando o assunto é educação…a gente sente insegurança. Será que vale a pena abrir mão do ensino tradiciona lpara investir na versão online?

Não existe resposta certa. Vai depender dos seus interesses e possibilidades.

Entao vamos analisar os prós e contras de cursos na versão online e presencial?

Minha ideia é que voce decida o que é melhor para voce.

Vantagens do curso online

  1. Não é preciso se deslocar fisicamente. Já falei aqui que isso pra mim é uma vantagem enorme. Nossa como ando cansada desse transito. Isso proporciona economia de tempo te liberando para outras atividades. Comodidade é a palavra.

Voce pode escolher se vai estudar na sua casa, na faculdade, no escritorio ou ate mesmo em um café… esse é um grande diferencial. Escolher onde voce vai estudar.

 

  1. Flexibilidade de horario. Não sei voce, mas eu tento manter ao maximo uma rotina organizada. Mas não é raro o palnejamento sair do meu controle e virar meu dia de cabeça para baixo. Esta ai mais uma vantagem do curso online. Voce adapta a sua rotina, aos seus horarios, manha, tarde, noite, de madrugada, finais de semana, horario do almoco. Quem manda na sua agenda é voce.
  2. Preços mais acessiveis. Cursos online costumam ter preços mais baixos que os presenciais. Otima opçao para quem quer economizar. Mas atençao, isso não tem a ver com economia de qualidade. A qualidade tem que ser a mesma. Os motivos da diferenca de custo são obvias. O curso online não demanda custos mensais com aluguel, luz agua, faxina, segurança, hora aula dos professores…
  3. Voce pode assistir quantas vezes quiser. Isso é bem legal. Sabe aquela duvida que pinta e voce não lembra bem como resolver? Assista aquela aula novamente.

 

Desvantagem do curso online

O curso online tambem apresenta pontos que podem ser considerados desvantagens para voce. E esses pontos precisam mesmo ser avaliados na hora de escolher onde fazer o treinamento que esta procurando.

 

  1. Se não tiver o equipamento adequado e internet para assistir as aulas, seu aprendizado fica inviavel.
  2. É um desafio e não uma desvantagem: manter o foco e a disciplina. Esse é realmente um grande desafio. Justamente as vantagens do curso online podem te passar a perna. não ter horario fixo, não precisar deslocar, podem criar a possibilidade de não se levar o estudo a serio. E isso não pode acontecer. Entao…foco! disciplina! São palavras de ordem para quem quer fazer um curso online.
  3. Demora na hora de tirar as duvidas. Eu disse demora. Não disse não tirar as duvidas. Se voce esta pensando em fazer um curso online sem suporte, onde ninguem tira suas duvidas, já desista agora. Estamos falando de aprendizado e isso é serio. Mas se voce escolheu um centro de treinamento com suporte, saiba que sua duvida não será sanada de imediato. Voce provavelmente enviara um email e alguem da equipe vai te responder.

Agora vamos as vantagens do curso presencial

 

  1. Facilidade na hora de tirar suas duvidas. Se voce tem uma duvida sobre o conteudo apresentado, essa duvida pode ser sanada na mesma hora já que voce esta la com o professor.Não estou dizendo que professor sabe tudo não hein gente! Algumas vezes temos que pedir um tempo para pesquisar antes de responder. Isso acontece. Mas o bom professor sempre corre atras, assim como o bom aluno.
  2. A interaçao com professores e outros estudantes é um grande diferencial dos cursos presenciais. Trocar ideais, perceber detalhes sob outro ponto de vista e ate mesmo criar uma rede de relacionamentos para alem do curso. Oportunidades profissionais podem surgir ai.
  3. Criação de rotina. Como tem horario e local definidos e obrigatoriedade de presença, o curso online da um empurraozinho na sua organização, caso esse não seja seu forte.

 

 

Mas como nem tudo são flores, aqui tambem temos desvantagens. Vamos as desvantagens do curso presencial.

 

  1. Deslocamento ate o local do curso. Por isso escolha um horario adequado a sua agenda para evitar o risco de não chegar a tempo.
  2. Custo mais elevado. Claro, estrutura fisica, professor, mais seu deslocamento. Nem todo mundo pode ou quer arcar com esses custos.
  3. Duração. Cursos presenciais demandam de mais tempo que cursos online. Aquela interação tao vantajosa tambem tem seu lado de desvantagem. Tem conversa, tem café, tem duvidas e isso custa tempo. Quando voce esta sozinho porem focado, voce conclui o curso em menos tempo.

 

Entao é isso. escolha se sera online ou presencial. Isso so depende de voce. Na minha opiniao não tem melhor nem pior e sim o mais apropriado para o momento. Mas não erre na escolha do centro de treinamento. Pesquise antes de escolher. O que voce vai aprender e com quem são perguntas fundamentais.

Entao pesquise. Provavelmente voce vem pra desenhar.

 

 

Image module

Você conhece sua profissão?

É muito, mas muito comum mesmo escutarmos queixas ou nós mesmos nos queixarmos: o cliente não valoriza minha profissão. O cliente não sabe o que eu faço?

Está cansado de te pedirem desenhos e ideias? Acham que é isso que você faz? Então me diz: você valoriza sua profissão?  Você sabe o que você faz? Já pensou em explicar isso pro cliente?

Qual a sua formação? Arquiteto? Vamos falar sobre a profissão do arquiteto hoje? Você conhece bem a sua profissão? Sabe o que pode fazer? Qual a legislação? Qual a média salarial? Quais as principais áreas de atividade?

Um censo realizado pelo CAU – conselho de arquitetura e urbanismo nos ajuda nessas respostas.

Vamos aos dados:

Existe uma grande concentração de arquitetos e urbanistas nas regiões

Sudeste e Sul

Existe uma grande concentração de arquitetos e urbanistas nas regiões

Sudeste e Sul

População de arquitetos e urbanistas é formada principalmente por pessoas do sexo feminino e com menos de 40 anos

 

Arquitetos e urbanistas buscam atualização frequente. Um quarto do total possui pós-graduação.

 

Outros dados indicam que os arquitetos e urbanistas buscam constantemente

aperfeiçoar seus conhecimentos e se mantêm atualizados. A grande maioria

(82%) frequenta cursos, seminários, feiras e eventos afins. É comum arquitetos buscarem informações em revistas especializadas, periódicos acadêmicos e livros técnicos.

O domínio de ferramentas profissionais também é alto. Dos arquitetos brasileiros, 86% dominam softwares de desenho por computador. Esse dado mostra que é quase uma obrigação né? Difícil ser arquiteto sem dominar pelo menos um software de desenho.

 

 

 

 

Concepção de projetos é a principal atividade, mas o campo de atuação revela-se bastante variado. Um terço dos profissionais trabalha com concepção de projetos. Um número menor, mas significativo participa regularmente na fase de execução. A Arquitetura de Interiores é também uma demanda frequente. Pequenas parcelas do total da categoria dedicam-se a atividades como Planejamento Urbano e Paisagismo.

 

Mais da metade dos arquitetos e urbanistas do Brasil trabalha por conta própria, ou como autônomos ou como empresários, donos dos próprios escritórios.  Os assalariados somam 38%,

 

 

Quem contrata os serviços de um arquiteto?

Entre os contratantes de projetos, a maior parte é composta por empresas e instituições aproximadamente 56% Pessoas físicas correspondem a quase 44%.

 

Sabia desses dados?

 

Quer uma dica?

Se atualize, estude bastante, fique atento e faça benchmarking.

Sabe o que é isso?

É dar uma olhadinha na grama do vizinho. um minucioso processo de pesquisa que permite aos gestores compararem produtos, práticas empresariais, serviços ou metodologias usadas pelos competidores com intuito de buscar melhores práticas e soluções de mercado.

 

 

Image module

Ah a falta de tempo!

Quem aí tem tempo? A gente sempre acha que não né? Mas a verdade é que a gente tem sim. Está em nossas mãos.

Vamos pensar as possibilidades.

Que tal acordar uma hora mais cedo? Já pensou em tudo que pode fazer nessa horinha? Dá pra malhar, dá pra estudar uma língua, da pra ler um livro, dá pra estudar pra prova, dá pra meditar, dá pra treinar um software que aprendeu recentemente ou aprender um software novo…

Ou…que tal aproveitar melhor seu horário de almoço? Você tem mais de uma hora de intervalo para almoçar? Se a resposta foi sim, vamos lá… Dá pra malhar, dá pra estudar uma língua, dá pra ler um livro, dá pra estudar pra prova, dá pra meditar, dá pra treinar um software que aprendeu recentemente ou aprender um software novo…

Ou…que tal dormir uma hora mais tarde? Esse definitivamente não é meu caso, mas pra quem é noturno é uma boa solução. Sou dessas que apaga exatos 5 minutos depois que deito. Privilégio, eu sei.

Quando você tem um tempinho livre em casa, por exemplo, o que você faz? Se joga no sofá? Assiste tv?

É questão de prioridade. Clichê, né? É… mas é isso mesmo.

Hoje em dia faço com muita tranquilidade quase tudo pela internet. Compro de tudo. Fácil, prático. Ir ao banco? Só em ultimo caso! Meu gerente nem fica na mesma cidade que eu. Nos falamos por whatsapp e telefone. Nunca nos vimos. E funciona. Faço cursos pela internet. Assisto palestras pela internet. Vejo muitos vídeos COM CONTEÚDO. Espanhol, inglês, finanças, marketing…tudo no meu tempo. As vezes nessa uma horinha de manhã, as vezes depois do almoço, as vezes sábado de manhã e muitas vezes no domingo a noite. E assim vou rebolando, equilibrando pratos, assobiando e chupando cana. Talvez isso justifique a velocidade com que pego no sono.

Esse sentimento de correria e falta de tempo nos consome. Todos nós. Algumas pessoas já lidam melhor com ele, outras não…mas ele existe.

Estamos vivendo a era do EAD – ensino a distância. Vejo esse fenômeno com muito bons olhos, mas tenho ressalvas, claro.

As vantagens são claras: economia e flexibilidade são as principais. Cursos online costumam ter um valor menor de investimento que cursos presenciais. E você pode adaptar seu horário dentro da sua rotina. Eles têm se tornado uma excelente alternativa para desenvolvimento profissional.

As únicas ressalvas são: internet é terra de ninguém. Você vai achar de tudo para consumir. Aquele vendedor que você não está vendo, realmente quer que você aprenda ou só pegar o seu dinheiro? Sim…isso existe, mas não são todos! Se você tiver dúvidas..alguém te atende? Te ajuda?

Uma pesquisa realizada pela NZN Intelligence, plataforma de pesquisa e inteligência da NZN, revelou   que 90% dos brasileiros usuários da internet estão propensos a realizar algum tipo de curso online, sendo que, dentre eles, 61% já fizeram.

Busque informações sobre a empresa desenvolvedora do curso online. Tem expertise? Já ensinava antes de desenvolver esse produto digital? Acho isso importante de ser avaliado.

No mais…se jogue na rede! Essa tendência me parece irreversível.

 

 

Image module

Arquiteta, professora e diretora, Juliana Stark nos conta sobre sua rotina atribulada.

 

 

Juliana Stark é arquiteta, professora e diretora, no ramo há 19 anos a profissional multifacetada nos dá dica de como inovar e passa sua visão sobre como novos profissionais devem se preparar para mercado de trabalho.

totalCAD: Juliana, primeiro me diz como você tem tempo para fazer tanta coisa? Hoje em dia você exerce as 3 funções na mesma proporção ou acaba se dedicando mais a alguma delas em específico?

Juliana: Pois é…não vou negar que são muitas atividades mesmo…que se complementam, claro, mas de qualquer forma exigem muita organização de tempo. Para conseguir fazer tudo, conto com equipe super qualificada na Desenhar e no Stark Studio e procuro incorporar tudo que aumente minha produtividade, ou seja, trabalhar melhor em menos tempo.

totalCAD: De onde veio a ideia de disponibilizar os treinamentos?

Juliana: A ideia de disponibilizar treinamentos veio através de dois ideais que tenho: Produtividade e valorização do mercado de arquitetura e design de interiores. A produtividade como já disso é um objetivo pra mim. Trabalhar melhor em menos tempo. Percebi há anos atrás que softwares para representação de projetos me ajudariam nisso. Desde então incorporei na minha rotina, me especializei e decidi criar treinamentos. Além disso, acredito que todos nos profissionais somos um time. Quanto mais investirmos na nossa capacitação, profissionalização, melhor para todos nós.

totalCAD: Como escolheram os cursos que disponibilizam hoje?

Juliana: Sou muito mercadológica. Procuro os softwares mais usados no mercado de arquitetura, engenharia e design de interiores. Meu objetivo é que alunos da Desenhar entrem no mercado de trabalho com muita facilidade.

totalCAD: O que considera essencial para um profissional da área?

Juliana: Atualização. Não parar de aprender nunca.

totalCAD: Quanto os softwares ajudam no trabalho do profissional? E como se aplicam no seu dia a dia?

Juliana: Os softwares minimizam erros e aumentam a produtividade. Tempo é dinheiro. Softwares se tornaram meu dia a dia. Dou aula de softwares na UNA, tenho a Desenhar que é uma escola especializada em capacitação profissional e ensina os principais softwares para representação de projetos arquitetônicos.

totalCAD: Vocês também disponibilizam um curso de empreendedorismo para novos profissionais? de onde veio a ideia?

Juliana: A ideia do curso de empreendedorismo veio da paixão em ajudar quem esta entrando no mercado de trabalho. Quando me formei estava completamente despreparada para a vida real. O desenvolvimento de projetos, que a faculdade ensina com primor, é uma das questões da vida profissional. Precisamos de muito mais que isso. E saber abrir e administrar um escritório não é tarefa fácil. Como acredito que somos um time e quanto mais profissionais capacitados tivermos no mercado, melhor para todos nos, resolvi criar esse curso junto com a arquiteta e empresaria Juliana Cordeiro.

totalCAD:  Para você qual a importância de apresentar um projeto renderizado?

Juliana: É fato que um projeto renderizado, tem maior taxa de aprovação pelo cliente. O cliente, que é leigo em representação de projetos arquitetônicos, entende melhor um projeto em 3d e renderizado. Como uma foto do que ainda está para acontecer. Isso encanta e fascina. O dialogo fica mais fluido e assertivo.

totalCAD: Dica para quem acabou de sair da faculdade e não sabe o que fazer?

Juliana: Atualize-se sempre. Faça cursos. Faça Networking. Se cerque de pessoas que querem te ajudar a crescer.

totalCAD: Consegue citar uma grande inspiração da área?

Juliana: Quem me inspira desde minhas primeiras pesquisas na área da arquitetura é Lina Bo Bardi. Uma arquiteta que também desenhava mobiliário e tinha um olhar especial e delicado sobre a cultura brasileira

totalCAD: Fale um pouco pra gente sobre o Stark Studio?

Juliana: O Stark Studio é um escritório de design de mobiliário. Desenhamos e vendemos mobiliário para todo Brasil. Alguns moveis desenhamos para industrias e marcas especializadas e outros desenhamos para que o próprio Studio comercialize. Sempre moveis autorais e exclusivos.

totalCAD:  Juliana, você decidiu se especializar em design de interiores após a graduação em arquitetura. Quais motivos te levaram a escolher por essa especificação?

Juliana: A arquitetura de interiores é a área que me enche os olhos. Já entrei na faculdade imaginando que essa seria minha área de atuação. Cheguei a fazer os dois cursos: arquitetura e design de interiores. Mas depois optei por finalizar só a arquitetura mas fazer cursos de especialização e pós graduação em design de interiores.

totalCAD: A vontade de trabalhar com mobiliário creio que veio daí certo?

Juliana: Na verdade nasceu no meu primeiro emprego. Fui vendedora em uma loja de moveis. senti que era meu nicho. De la, fui trabalhar na indústria. Foi nessa época que resolvi mergulhar de cabeça e entrei na pós graduação.

totalCAD: O processo de criação de um mobiliário diferencia muito comparado ao de um projeto?

Juliana: Não acho que diferencia muito. Estamos sempre atendendo uma demanda. A diferença é que no mobiliaria atendemos uma demanda cultural, contemporânea da sociedade. No projeto de arquitetura, atendemos uma demanda mais especifica do cliente.

totalCAD: Você tem alguma preferência em relação aos matérias que usa em suas criações?

Juliana: Aqui somos da madeira. O Sergio meu marido e sócio é marceneiro de formação. Veio do chão de fabrica. Um artista especialista nesse material. Nossa segunda paixão é a pedra sabão. Material bem mineirinho.

totalCAD: Quais softwares usa no seu dia a dia?

Juliana: Cad e SketchUp.

totalCAD: Estamos vendo que os cliente procuram cada vez mais móveis funcionais e versáteis, como seguir criando moveis inovadores mesmo com tantas opções no mercado?

Juliana: Se olharmos bem, temos muito do mesmo. Tudo muito parecido. O segredo está em sermos autênticos e originais. Fugir das copias. Não tem erro. O cliente valoriza o que é prático, útil, funcional, versátil e diferente.

totalCAD:  Como está lidando, profissionalmente e pessoalmente, com a situação atual de isolamento?

Juliana: Sinto falta de encontros pessoais. Muita falta. Desenhar lotada para trocas de ideias, palestras, abraços…amigos, família…
Mas profissionalmente estou super adaptada. As aulas online estão funcionando super bem e acredito sinceramente nessa tendência. Atendo clientes com hora marcada, e produzo super bem em casa(perto das minhas filhas), terceirizando para equipe o que é necessário. A tecnologia esta a nosso favor.

totalCAD: Tem algum projeto que é o seu preferido? manda pra gente!

Juliana: O meu preferido é o NCoisas. É um modulo que se encaixa a outros e é capaz de formar n coisas: biombo, rede, luminária, mesa…
Esse projeto foi premiado no Brasil Design Award 2018 e selecionado no Museu da Casa Brasileira.

N Coisas é um módulo que quando junto a outros análogos, de variadas maneiras, forma um objeto homogêneo e funcional.

Sua função é se transformar em qualquer outro objeto, seja uma peça decorativa ou de mobiliário.

As inúmeras opções de encaixes permitem diferentes formas, funções e padronagens.

Conheça um pouco mais sobre Juliana Stark e Desenhar.Arq

Instagram: @juliana_stark, @stark.studio, @escola_desenhar
Site: www.starkstudio.com.br e www,desenhar.arq.br
Youtube: Stark Studio e Escola Desenhar

 

 

 

 

Image module

O que fazer além da faculdade?

Esses dias li uma frase que dizia:

Se deseja fazer algo, estude, aprenda, respire o assunto por si mesmo! Não espere ninguém lhe ensinar a viver. Muito menos uma faculdade. Realize, pois o mundo não fará nada por você.”

É…acredito que seja por ai mesmo. Não adianta ficar resmungando… nossa! A faculdade não ensina isso. Nossa! A faculdade não falou daquilo…

O que está te fazendo falta? Corra atrás. Procure saber mais sobre o que você precisa.

Como?

Faça cursos presenciais ou online, leia livros, blogs, veja vídeos, vá a palestras, fóruns, congressos, feiras, mostras, viaje…

Além disso você pode fazer muita coisa além da faculdade. Divirta-se. Conheça gente. Faça amigos, seja agradável, curioso, interessante. Conviva com pessoas que você admira, que te inspiram e te fazer querer ser cada dia melhor.

Ganhe experiência. Um diploma sem experiência não adianta. Trabalhe. Faça estágios.

Ah…”não estou conseguindo estágios…então vamos refletir sobre isso. como está procurando? Está procurando de verdade? Ninguém vai bater na sua porta para te oferecer estagio. Tenha a iniciativa para encontrar. E reflita se você está preparado. Você vai aprender demais no estágio, mas você deve estar minimamente preparado para tal. Não é lá que você vai aprender softwares por exemplo. Já deve chegar preparado. Não é lá que você vai aprender a ser pontual, ter iniciativa, ser interessado, comprometido, que sabe trabalhar em equipe ou sob pressão.  Mostre que você é assim. Ah você não é? Então aprenda a ser. Como? O primeiro passo é querer ser. Você quer? Então faça cursos, leia livros sobre o assunto, assista palestras, se prepare.

Trabalhe seu ponto fraco para ficar cada vez melhor, mas invista alto, bem alto no seu ponto forte. É ele que vai te levar longe.

Se coloque a disposição para projeto de família e amigos. Normalmente é assim que a gente começa mesmo. Mas trate-os como os clientes da sua vida. São amigos deles que vão conhecer seu trabalho e abrir mais o leque de indicações.

Crie um portfólio. Seus melhores projetos vão para seu portfólio. Seja trabalho de faculdade ou banheirinho da avó. Tenha postura profissional. Que tal um site ou um Instagram profissional?

Um diploma não vale muito se você não tiver experiências e habilidades.

Experiências e habilidades podem ate valer mais que um diploma.

Mas agora pense na junção: experiências+habilidades+diploma. É isso. vá atrás disso. Não tem erro. Mas lembre-se. Desses 3 ingredientes, a faculdade te dá um.

 

 

Image module

5 dicas para aprender softwares e nunca mais esquecer

 

É tão comum quem diz. Fiz o curso não pratiquei e esqueci. Sim. Isso acontece. Não jogue seu dinheiro fora. Pagar por um curso de software e não praticar é desperdício. Então aí vão 5 dicas para você aprender software e não esquecer.

 

  1. Escolha o software que vai agregar valor para você agora. Qual você esta precisando? Comece do inicio. Não pule etapas. Eu sempre digo que o início é com autocad. Não acredito em pular o cad e ir direto para algum software BIM. Sei que tem muita gente por ai dizendo que da. Eu não concordo. Início de curso você deve aprender cad. Será mais simples, você vai usar nos estagio e na faculdade nos primeiros projetos.

Isso faz com que você use no dia a dia. Não vai esquecer.

 

  1. Escolha como aprender. Presencial ou online tanto faz. Depende do seu perfil, da sua organização, e tempo disponível. Só não aconselho a aprender picado na internet com vídeo aulas sem sequência. Escolha um curso completo e faça do inicio ao fim. Isso vai fazer mais sentido na sua cabeça e facilita aprendizado e entendimento do funcionamento.
  2. Faça anotações. Mesmo recebendo material didático, apostila completa, anote do seu jeito com suas palavras.
  3. Repita diariamente o que foi visto em aula. Aprendeu? Repita. Faça aquele mesmo exercício de novo. já tire as dúvidas e fixe o conteúdo antes de ir adiante.
  4. Provavelmente o curso é feito com um ou mais projetos mais simples. Um bom curso de software funciona se for claro. Objetivo. É melhor repetir do que aprofundar demais. Se for muito complexo você terá dificuldade de assimilar o funcionamento do software. Deixe para aprofundar quando estiver seguro. Então durante o curso assimile muito bem o que está sendo apresentado ali. Repita, repita, repita. Entenda. Esse entendimento é que vai te levar longe. Não decore. Assim que terminar o curso, pegue um outro projeto e faça. Teve dúvida? Entre em contato.

 

Aí me diz? Onde você escolheu para aprender softwares? Nesse momento tem alguém para tirar suas dúvidas? Então não erre nessa escolha. Pesquise antes.

Tenho pra mim que você vai escolher a Desenhar.

 

 

 

Image module

Currículo x portfólio

E aí? Currículo ou portfólio? Qual a diferença entre os dois?

Bom, já falei bastante por aqui a importância de um bom currículo e que um currículo sem portfólio não tem valor. Não viu esse vídeo? Para tudo, vai lá e depois volta aqui.

Viu? Ótimo. Vamos em frente.

É o seguinte: currículo é um breve histórico. Ele conta rapidamente sua história, suas habilidades, suas experiências, seus interesses…

Mas… sua história fica muito mais rica quando ilustrada. Ou seja, não so conte que você domina. Mostre! Não só conte que você domina Cad, mostre um projeto técnico que você desenvolveu no cad. Não só conte que você domina sketch e vray. Mostre uma bela imagem, realística desenvolvida por você. Mostre seu trabalho.

Já sei. Você deve estar pensando assim: mas eu não tenho trabalhos. Tó começando. Tem sim. Sabe o projeto que está desenvolvendo agora na faculdade? Capricha!!!! Porque ele já vai pro portfólio. Ah! Só tem um? Ou ainda são poucos? Inventa!!! Faz a reforma da sua casa, seu quarto… crie demandas. Não em problema nenhum. Você está mostrando suas habilidades em dar soluções a problemas e demandas e o seu domínio de ferramentas para fazer grandes apresentações. É isso que os profissionais querem ver.

Lembre-se sempre: para conseguir um estágio ou emprego em um escritório de arquitetura ou design você precisa de habilidades técnicas. Ok. Novidade nenhuma ne? Isso você já sabia. Mas além disso, o seu estágio ou emprego depende também de como você expõe essas habilidades. Ou seja, seu portfólio.

Então vamos as dicas

  1. A apresentação gráfica do portfólio é tão importante quanto o conteúdo dele

Isso pode ser um critério eliminatório. Seu portfólio pode nem ser visto se não for atrativo. Tem que ser organizado, com capa, currículo, pode ter sumário, páginas uniformes, padronizadas e coerentes.

 

  1. Não envie currículo avulso, sem portfólio.

Currículos apenas com textos não serão analisados. Mostre suas habilidades. Não adianta só contar. Inclua o seu currículo no seu portfólio. Seu currículo deve ser claro e conter todas as suas informações. Você já sabe isso ne?

 

  1. Portfólio não precisa ser grande, precisa ser ótimo. Melhor dois projetos hiper bem feitos e bem apresentados do que vários medianos.
  2. Pdf único sempre! Nunca envie arquivos abertos editáveis e soltos.
  3. Desenhos técnicos são sper bem vindos. Com detalhes arquitetônicos então nem se fala. Mas cuidado com a legibilidade. Não é necessário explicar tudo e encher de informações. Seja breve e direto. É melhor passar a ideia geral do projeto e mostrar suas habilidades. Tá ótimo.
  4. Envie e-mails individuais e personalizados para os escritórios de seu interesse. Nada de mandar para um mailing gigante de arquitetos de uma vez hein!
  5. Por fim… diga sempre a verdade. Seja você mesmo. Não vai adiantar mentir ou exagerar. Poucos dias no trabalho vão mostrar quem você realmente é. Ah! Sobre isso uma pergunta frequente: posso colocar um trabalho que fiz no meu antigo estagio? Antes de qualquer coisa, pergunte ao autor do projeto. Se for autorizado, coloque. Mas sempre deixe claro de que é a autoria e qual sua verdadeira participação. Ex: participação na apresentação do projeto X utilizando sketchUp e vray do escritório de arquitetura Y.

 

E não se esqueça nunca de mencionar que aprendeu softwares na escola Desenhar se esse for seu caso. Esse é um grande diferencial. Se não aprendeu aqui, ainda dá tempo. Temos cursos online e presenciais.

 

Image module

O que  está no seu currículo?

Ter um bom currículo é muito importante para todos os estudantes e profissionais. Mas o que é o que é ter um bom currículo?

Você é estudante?

Bom, então coloque sem dúvida nenhuma o seu período, o curso e a faculdade que está cursando. Coloque os cursos de softwares que já fez. Se não fez, faça! E só depois distribua seu currículo por aí. Como já disse algumas vezes aqui, será bem difícil conseguir um estágio de arquitetura ou design se não dominar pelo menos autoCad, sKetchUp e Vray. Se souber um software BIM (Revit ou archcad por exemplo) MARAVILHA! Ponto extra para você.

Sabe inglês? Espanhol? Italiano? Coloque. Claro!

Já morou fora? Nossa que experiência! Não deixe de contar.

Já foi monitor de alguma disciplina na faculdade? Fez bolsa cientifica? Excelente.

Já teve alguma experiência profissional, mesmo fora da área?  Pode ser vendedor de roupa, de carro, secretária, algum cargo auxiliar… pode colocar também se quiser.

Mas…se não tem experiência profissional nenhuma não tem problema. Mostre que está muito interessado e disposto a ter a primeira.

Quer colocar suas habilidades comportamentais? Acho legal. Se você é dinâmico, extrovertido, gosta de desafios…sei lá. Pode colocar. Mas não minta. Na primeira entrevista já dá para avaliar seu temperamento.

Pode ser legal também colocar seus interesses e objetivos. Por que gostaria de estagiar naquele escritório? É uma área de atuação que te interessa? Gostaria de aprender mais sobre isso Conte!

Não preciso falar que erros de português são inaceitáveis não ne? Isso foi muito obvio. Outra informação meio obvia é: coloque seus contatos. Não adianta gostar de você e não te achar ne? Coloque seu telefone, whatsapp, email… ah! Instagram!!! outra dica preciosa: seu instagram só deve ser mencionado se mostrar seu lado profissional e interessante. Se for só curtição e balada, melhor não colocar. Alias…repense seu instagram. Ele pode ser um ótimo aliado do seu currículo.

Mas…agora…por favor…não envie um currículo sem graça. Estou falando graficamente mesmo. Currículo no word, sem cor nem imagem não ne?Afinal de cntas você será um arquiteto ou designer. Mostra suas habilidades, paixões e criatividade desde já. Saiba escolher as cores, as fontes, preocupe-se com contrastes, legibilidade, harmonia…tudo! Use e abuse de infografia. Sabe o que é isso? informação através de imagem. Isso causa interesse e passa informações com rapidez.

“Tenho que colocar uma foto minha?” Não, não tem…mas pode se quiser. Se optar por colocar tire partido disso. O currículo é preto e branco? A foto também pode ser. Mas se ela é colorida, evite estampas e informações demais, mas ela pode ditar a paleta de cores escolhida para o currículo como um todo.

Bom, as possibilidades são infinitas.

“Ah! E meus hobbies, posso colocar?” Depende. Depende do tom do seu currículo. Está mais descontraído? Seu hobby é legal? Então põe. Mas tem que ser algo que acrescente. Por exemplo: fotografia. Legal! Corredor, ciclista, triatleta. Super legal! Eu acho. Isso mostra que você é no mínimo disciplinado.

Olha, não existe certo e errado. Pesquise antes o perfil do escritório que vai enviar o currículo. É mais descolado ou formal? E você? Qual seu perfil? Não force a barra…fica estranho.

Prefere ficar no básico? Ótimo. Sem problema nenhum! Arrase na diagramação do currículo, na escolha de cores e fontes, domine softwares e conte isso.

 

Ah! Muito importante: currículos hoje são mais enviados que entregues, ou seja, são arquivos digitais. Turma, salve em PDF, não envie um arquivo aberto editável.

Agora, se você é um profissional, ter um bom currículo, passa por isso tudo e muito mais. Além do domínio de softwares, etapas de desenvolvimento de projeto, boa apresentação gráfica, você deve ter experiencia profissional. Por isso, comece cedo. Estágios, cursos, viagens, congressos, palestras, workshops, especializações, quem sabe até mestrado e doutorado? Depende do seu interesse. Mas construa seu currículo. Só depende de você.

Mas posso te contar uma coisa?

Um currículo sem um portifólio não vale nada… você precisa além de contar, mostrar suas habilidades, enviando também um portifólio.

Tema para um próximo texto.

 

Mas de uma coisa eu tenho certeza. Ter o nome da Desenhar no seu currículo faz uma enorme diferença. Pode acreditar.

 

 

 

Image module

Você participa de concursos?

 

Você que é estudante ou profissional de arquitetura ou design, você participa de concursos?

 

Meu nome é Juliana Stark, sou arquiteta, diretora da Escola Desenhar e professora universitária. Sempre falo para os meus alunos: participem de concursos!!!

É difícil? É difícil!  É corrido? É corrido! Dá trabalho? Demaaais!

Mas você é desses que desiste do que é difícil e trabalhoso? Não né? Ah bom…então é dos meus. Vamos em frente. Vou te contar algumas vantagens e tenho certeza que você vai se inscrever no próximo.

Saiba que ganhar um concurso de arquitetura ou design pode mudar sua vida profissional. Você vai alavancar sua carreira, será conhecido, ou reconhecido…pode ter seu trabalho divulgado em sites, blogs, revistas e outros canais especializados.

Imagina, ser avaliado por um júri com larga experiência e ter o trabalho como vencedor? Para poucos? Claro que para poucos! Aí está a adrenalina.

Mas a participação em concursos vai muito além de vencer.

Vamos as vantagens

  1. Você aprende a trabalhar sob pressão. Prazo estipulado sem choro nem vela. Não adianta ligar e falar que teve um imprevisto.
  2. Você vai treinar uma boa apresentação. A apresentação tem que ser impecável. Projeto mal representado ou fotos ruins fazem seu trabalho ser desclassificado.
  3. Você vai estimular sua criatividade saindo da rotina e demanda da faculdade ou escritório.
  4. Você vai aprender a trabalhar em equipe. Não é obrigatório o trabalho em equipe, mas muitas vezes é essencial pelo prazo curto e escopo longo. E isso é ótimo. Saber trabalhar em equipe faz parte da nossa vida profissional. Seja através de sociedade, ou como funcionário de alguém e você tem que relacionar bem com seu líder e com o restante da equipe, ou seja como dono da empresa que lidera uma equipe. Saber se relacionar é fundamental.
  5. Enriqueça seu portfólio. Sempre digo isso: TENHA UM PORTFÓLIO. Arquitetos e designers não têm currículo, têm portfólio. Ok ter um currículo legal, bem apresentado, criativo ou descolado que conte sobre você e sua experiência, mas ele não vale nada se não MOSTRAR suas experiências e habilidades. Somos visuais. Quer vai te contratar quer VER suas habilidades. Mas isso pode ser tema para um próximo vídeo. Quem quer saber mais sobre como fazer um portfólio, comente aqui.

Bom, alguns concursos são só para profissionais, outros podem ser também para estudantes. Alguns são para trabalhos acadêmicos, ou seja, trabalhos desenvolvidos na faculdade. Seu TCC por exemplo. Então fique de olho e capriche.

Quer exemplos para trabalhos acadêmicos? Prêmio Saint Gobain e o Ópera Prima.

Quer saber opções para profissionais e estudantes? Tem um site chamado concursosdeprojeto.org   um mundo de opções. Nacionais e internacionais.

Além disso tem muito concurso oferecido por fornecedores do mercado de arquitetura e design, como fornecedores de louças, metais, mdf…é só ficar de olho. Bem atento!

 

Bom, esse assunto todo começou porque esses dias eu estava enviando projetos para concursos e resolvi filmar e compartilhar nos stories da Escola Desenhar. Me inscrevi no Brasil Design Award, no Museu da Casa Brasileira e no Prêmio Salão Design. Três prêmios que admiro muito e são da minha área. Design de mobiliário. Para quem não sabe eu tenho também um estúdio chamado Stark Studio.

Compartilhei sobre a importância de ler, entender e atender o edital, falei sobre a boa apresentação de projeto, fotos e vídeos – sim, alguns pedem vídeos, fique atento ao edital.

Mas o compartilhamento foi um sucesso. Recebi uma enxurrada de feedbacks e perguntas. Por isso resolvi gravar esse vídeo.

Querem saber o resultado? Bom, até agora posso dizer que vencemos o Brasil Design Award mais uma vez. Mas ainda não sei com qual produto. Isso a gente fica sabendo só na cerimônia de premiação.

Além disso, o N Coisas, que foi vencedor do Brasil Design Award 2018, esse ano passou para a segunda fase do Prêmio Museu da Casa Brasileira. Está lá para avaliação do júri especializado, que aprovou nossa peça, nosso projeto, nossa apresentação gráfica e nossas fotos. Agora querem ver de perto. Que honra. Difícil? Muito! Mas se fosse fácil não teria graça…

 

Tudo que eu, como representante aqui da Desenhar quero é ver você brilhando profissionalmente.

Pode contar comigo. Qual sua dúvida? O que quer aprender mais? Se eu não conseguir te ajudar, conheço quem consegue.

Pode entrar em contato comigo como preferir, email, direct, telefone, whatsapp…todos nossos contatos estão no site da Desenhar.

 

Image module

Por que escolher a Desenhar?

 

Vou te contar um pouquinho da história da Desenhar para você entender nosso objetivo, e onde queremos chegar.

Meu nome é Juliana Stark, sou arquiteta, empresária, professora universitária e diretora da Escola Desenhar. Meu propósito é ajudar estudantes e novos profissionais a entrarem e se desenvolverem no mercado de trabalho. O meu diferencial é aliar o desenvolvimento de habilidades técnicas com habilidades comportamentais.

Bom, a história da Desenhar começou muito antes do seu nascimento. Em 1999 eu estava no sétimo período do curso de arquitetura na EAUFMG, no auge do crescimento do uso da ferramenta AutoCad, quando fui convidada para desenvolver e ministrar um curso junto com minha amiga Patricia Soares (hoje arquiteta especializada em patrimônio) a quem sou grata para além da eternidade. E ainda amigas, diga-se de passagem.

Como poucos profissionais dominavam a nova ferramenta, havia uma demanda de aprendizagem e déficit de profissionais para ensiná-la. Então lá fomos nós…ganhamos a parada. Ainda estudantes e já ministrávamos o curso de extensão de AutoCad 2d e 3d no laboratório da Escola de Arquitetura da UFMG.

E lá se foram quase 10 anos…a sementinha da Juliana empreendedora cresceu. Brotou. Nasce a Escola Desenhar. Uma escola especializada no ensino de softwares destinados a arquitetos, engenheiros e designers. Por aqui passam centenas de profissionais e futuros profissionais anualmente. Só gente bacana, que quer aprender cada vez mais e ser cada dia melhor.

Em 2018, quando fizemos exatos 10 anos, foi visível o amadurecimento da Escola.

Nos multiplicamos. Nossas aulas não são mais apenas no nosso espaço físico. Podem ser também por videoaulas ou online ao vivo, podem ser nas empresas, nas faculdades ou em outras cidades…

Nos demos conta da nossa total responsabilidade. Se milhares de profissionais que estão no mercado hoje passaram por aqui…caramba! temos uma força gigante na formação desse mercado. Podemos e devemos ensinar muito mais que ferramentas. Nos conectamos mais ainda com o mercado. Mudamos de espaço. Fomos para a Stokler 140, onde funcionam empresas das áreas afins.

Foi aí então que surgiram os três pilares que sustentam a Desenhar hoje:

-Ensino das ferramentas de projeto

-Desenvolvimento de projetos

-Desenvolvimento de carreira

Alunos que trilham o caminho completo da Desenhar estão prontos para em bom emprego ou para administrarem o próprio escritório.

Acreditamos fielmente que o trabalho e foco nesses três pilares é capaz de transformar trajetórias. Ninguém entra no jogo pra perder, desiludir ou desistir, mas muitas vezes não fazemos esforço suficiente para ganhar.

Tem que ter foco, vontade e persistência e a Desenhar quer ajudar nessa caminhada.

 

 

Image module

Você sabe o que é um moodboard?

Talvez você já faça moodboard sem saber. Quer ver? Pense na seguinte situação: você vai começar um projeto… O que você faz? Aposto que recorre ao Google, Pinterest, revistas e separa, corta, salva imagens. Não é? Aquele projeto não sai da sua cabeça, então todo lugar que você vai, você olha tudo, passa a mão no tecido, no papel de parede, tira fotos de detalhes que gostou e remetem àquele projeto. Pega seu mostruário de tintas e marca com post its, põe clips no mostruário de tecidos, experimenta os tons da madeira, colocando um sobre o outro. Espreme um pouquinho os olhos, vira a cabeça pra um lado, para o outro e fica minutos em silencio. Acertei?

Então…organize todas essas referências em um painel e você criou seu moodboard.

Mooodboard é um painel de referências visuais do seu projeto. Pode ser chamado também de painel semântico. É composto normalmente por imagens, textos e amostras de objetos, texturas e materiais. Ele deve representar “a cara” ou “a alma” do projeto. Normalmente é apresentado junto com o estudo preliminar, ou seja, com a primeira ideia do projeto.

Mas para que serve um moodboard?

O objetivo do moodboard é expressar uma sensação ou sentimento e contar uma história com as referências que nortearam o início daquele projeto. Além disso o painel semântico te ajuda a visualizar suas ideias e encantar o seu cliente. Mostre para ele as suas referências, suas pesquisas, de que fonte você bebeu para criar o projeto dele. Um bom trabalho inicial diminui as chances de mal entendimento e consequentes erros.

Além da paleta de cores, texturas e acabamentos, transmita sensações: aconchego, descanso, trabalho, amor, amizade. Quer um exemplo? Você pode simplesmente mostrar modelos de mesas e cadeiras em um espaço gourmet ou pode acrescentar a essa imagem, o vinho, o violão, os amigos e o time do coração. Entendeu? Aposto que seu cliente vai esboçar um sorriso nesse momento. Sim! Sabe por quê?  Ele já se imaginou torcendo com amigos, comemorando, divertindo e aproveitando aquele espaço. Esse é nosso papel. Nós profissionais somos capazes de trazer qualidade de vida e construir lares. Isso vai muito além da nossa habilidade técnica de projetar casas.

 

 

 

Image module

A VIDA COMO ELA É

Me atrasei 6 dias para escrever esse texto. Sabe porquê? Por que é assim que a vida é. As vezes tumultua tudo, sai do trilho e a lista de prioridade vira de ponta cabeça. Normal. Mas nem por isso desisto da minha lista, muito menos dos meus objetivos.

Eu precisava escrever sobre isso. Convidei o arquiteto Cioli Stancioli e a arquiteta Juliana Cordeiro para falarem sobre “a vida como ela é”. Juliana e Cioli são amigos que a arquitetura me deu. Na verdade, com a Ju a arquitetura só estreitou os laços, já nos conhecíamos desde a época de colégio. Cioli, nos conhecemos fazendo mostras de decoração juntos. A primeira foi Casa Cor 2010 e de lá pra cá nos tornamos grandes amigos. Escolhi os dois porque são grandes profissionais com pontos fortes bem diferentes. E isso e bacana né? Saber que cada um de nós tem um ponto forte e que isso pode ser nosso diferencial quando bem explorado e trabalhado. Cioli é artista. Sabe aquela crença de que todo arquiteto é artista? Pois é… mentira viu? Nem todos são. Mas Cioli é. Um artista que escolheu arquitetura ou foi escolhido por ela, não sei bem…

Já a Ju adora afirmar: “Não sou artista”. Acredito que repete essa frase para tirar um peso de cobrança das costas. Mas é uma arquiteta empreendedora como é raro de se ver. Empreendedores são líderes. Lideram pelo exemplo. São executores. Fazem acontecer. Ju sempre foi assim, desde o colégio. Era aquela que organizava tudo e botava pra quebrar. Não entenda empreendedor apenas como a pessoa que tem um negócio próprio.  Empreendedor é aquela pessoa que não vê problemas. Ele enxerga desafios e adora buscar soluções. Ou seja, podemos ser grandes empreendedores a frente de nossos negócios ou dentro de outras empresas. Sempre digo aos meus alunos: “seja aquele que puxa a turma pra cima, nunca pra baixo.” Sabe aquele reclamão? Tudo está ruim. A aula está ruim, o trabalho está grande, o sono está demais…pois é…sai fora. Seja aquele que levanta a mão pra ser o primeiro a apresentar o trabalho. Sem medo. E faça (mesmo sem querer) que todos os outros deem o melhor de si.. Isso aí. Puxou pra cima.

Bom, nosso bate papo aqui foi incrível. Cioli falou sobre apresentação de projetos, imagens 3d, render, desenhos a mão livre e…valor de projeto! Ahhhh….que tema difícil né? Isso envolve tanta coisa. E daí já emendamos no tema “Ética Profissional”. Tema delicadíssimo também mas extremamente necessário. Nossa ideia não é deixar essa galera que está chegando preparadíssima? Então é isso aí. E eles estão dando um show. Deu pra perceber pelas perguntas e comentários. Todo mundo querendo ser muito profissional, valorizar e ensinar ao cliente o valor e importância da nossa profissão… sim! Muitas vezes o cliente não entende bem o que a gente faz. Não é culpa dele. Nós devemos explicar tudo. Como bem disse a Ju: “muitas vezes o cliente não jogou ainda esse jogo. Ele não conhece as regras. Vamos ensinar? Simples assim.

Juliana falou lindamente sobre a importância das perguntas. Onde quero chegar? Por que? Como? E deu um show ao afirmar que o papel do arquiteto e designer de interiores é entregar soluções que tangem funcionalidades, legislação e estética. Por favor, nosso papel não é fazer bonitinho. É muuuuuuuito mais que isso. Algumas pessoas não sabem disso. Vamos contar? Vamos explicar? É NOSSO papel.

Conversamos mais um pouco sobre precificação, além de etapas de projeto, importância da parceria entre profissionais e o poder da palavrinha mágica NÃO! “Não, eu não faço esse tipo de projetos mas tenho um grande profissional para te indicar”. Não é mais justo e correto assim? É a importância do foco e nicho. Especialize-se. É impossível fazer tudo. Quem faz tudo não faz nada bem feito.

Disso tudo eu tiro que: pessoas precisam de pessoas. Que bom ter amigos tão competentes que vem aqui num sábado de manhã para compartilharem experiência e conhecimento. Que bom que tenho ex, atuais e futuros alunos que contam com a Desenhar para aprenderem cada vez mais e fazerem um mercado cada vez mais ético e profissional.

 

 

Image module

O que você quer ser quando crescer?

Quantas milhões de vezes já te fizeram essa pergunta? Você era desses que tinha preguiça quando te perguntavam isso ou sempre tinha uma resposta na ponta da língua? Normalmente astronauta, jogador de futebol, professora…

Mas a verdade é que você cresceu. Consegue ser ver assim ou ainda se enxerga como criança?

Hoje as perguntas são mais complexas. Você já escolheu o que vai ser quando crescer. Agora é o momento de perguntar: Onde você quer chegar? O que pretende fazer para chegar lá?

Mas antes de pensar nessas perguntas posso fazer uma mais doloridinha? Responda com sinceridade.

Está satisfeito com sua escolha?

Quer exercer realmente a profissão que escolheu ou apenas receber um diploma?

Isso faz muita diferença.

Bom, passado o soco no estômago, voltemos.

Onde você quer chegar?

O que pretende fazer para chegar lá?

É chato ter que pensar nessas respostas né? Mas é essencial.

Eu estou sempre cercada de livros e vídeos que me inspiram, que me animam, que mexem comigo, que me fazer querer ser melhor a cada dia. No livro que finalizei ontem (e já comecei outro hoje, claro!), tinha uma passagem que me fez pensar bastante e até mesmo escrever esse texto.

“O verdadeiro propósito de um objetivo não é atingi-lo, e sim se desenvolver até virar o tipo de pessoa capaz de conquistar objetivos, quer você atinja aquela meta específica ou não. É a pessoa em quem você se transforma ao dar tudo de si por esse objetivo até o último momento que mais importa, independentemente dos resultados.”

Entendeu? Confesso que não tinha pensado nisso. Quando você decide manter o foco em algum objetivo a ser alcançado, você fica concentrado, fiel, cheio de propósito. Sendo assim, um objetivo ambicioso faz você se conhecer melhor descobrir o que é capaz de fazer.

Se pudesse te dar conselhos seriam: leve a faculdade a sério. Tenha uma postura profissional. Entregue trabalhos como se tivesse entregando para clientes hiper exigentes e com potencial para entrarem para seu portfólio. Faça estágios. Descubra sua paixão e habilidade. Seja aquele que puxa a turma pra cima. Nunca o que puxa pra baixo.

Você pode ser o que quiser.  Onde quiser. Mas faça com vontade. Voe. O céu é o limite.

E pergunte-se sempre: quem eu estou me tornando?

 

 

 

Image module

O que não está no seu currículo?

Dedico grande parte do meu tempo a ensinar e ajudar. Para isso preciso estar muito atenta a tudo. Me interesso bastante em acompanhar cases de sucesso em qualquer área. Leio livros, assisto vídeos, filmes, qualquer coisa que me faça refletir sobre carreiras.

O profissional do futuro

Em um dos meus momentos de estudos, me deparei com um vídeo no Youtube que adorei. Michelle Schneider falando sobre o profissional do futuro no TED.

Bom, não vou contar tudo aqui, afinal são quase 20 minutos de vídeo e acho que vale cada segundo de atenção.

Eu não conhecia o trabalho da Michelle. Ela se apresenta como uma pessoa que trabalha no Linkedin e por ironia do destino conhece Alexandre Hohagen, o cara que trouxe facebook e google para o Brasil, por acaso dentro do avião.

Conversaram de tudo um pouco e ela não se aquietou enquanto não fez uma pergunta que pudesse contribuir para sua vida profissional. Então tomou coragem e perguntou a ele:

“O que você olha antes de contratar alguém?”

Ele disse que olhava muito quem era aquela pessoa fora do ambiente de trabalho. Ela disse que no Linkedin, eles têm uma dinâmica parecida. Todo mês acontece uma reunião interna e os novatos têm que ir na frente e dizer o que não está no perfil do linkedin deles…é uma maneira parecida de descobrir essa habilidade.

Nossa…como isso mexeu comigo! É verdade…como o lado B das pessoas é interessante. Adoro saber. Sempre vejo um profissional super bem sucedido e penso…o que será que ele faz nas horas vagas? Será que ele tem um hobby? Adoro imaginar isso.

E muito rapidamente fui vasculhar a vida da Michelle.

Olhe o que eu achei:

14 anos de experiência nas áreas de Vendas, Marketing e Recrutamento em empresas de médio e grande porte. Atualmente é responsável pelas verticais de Serviços Financeiros, Saúde e Educação da área de Soluções de Marketing no LinkedIn, a maior rede de profissionais da internet.
Especialidades: Relacionamento com Cliente, Desenvolvimento de Negócios, Venda B2B, Venda de Mídias Sociais, Gestão de Equipe, Start-up, Inovação.
Experiência internacional, DJ profissional e maratonista.

Pronto. Virei fã.

Ah! O profissional do futuro? Segundo ela, o profissional precisará ir muito além das habilidades técnicas. Ele vai precisar ter habilidades comportamentais. Acho que isso até dá uma outra conversa!

O currículo de um arquiteto e um designer de interiores

Sempre falo pros meus alunos da importância de um bom currículo e principalmente de um portfólio. Arquitetos e designers precisam mostrar trabalhos. É assim que conseguimos clientes e empregos. Sabe aquele trabalho de faculdade bacana? Então! É assim mesmo que a gente começa. Faça bem feito, com vontade, dedicação e coloque no seu portfólio. É no portfólio que você mostra tudo que domina: softwares, detalhamento, executivo, escrita, apresentação, composição…

Agora, o que me fascinou aqui é que a Michelle está falando das atividades extracurriculares. E isso faz muito sentido. Talvez sejam elas que mostrem quem você realmente é…

Por exemplo não consigo imaginar um atleta, mesmo amador que não seja disciplinado. A pessoa tem foco. Gosta de sair da zona de conforto. Muitas vezes nem é competitivo. Ele compete com ele mesmo. Apenas quer ser cada dia melhor…uau! Quando paro para pensar e escrever isso me da um orgulho danado de mim mesma. Apesar da rotina intensa, não abro mão das minhas corridas. Me desafio semanalmente. Crio um foco, um objetivo e vou.

E você? O que você faz que não está no seu currículo?

Image module

Juliana Stark

Quem está a frente da Escola Desenhar?

 

Olá. Meu nome é Juliana e hoje me apresento para vocês. É bom saber quem são as pessoas por trás da empresa né? Eu gosto…detesto conversar com máquinas. Então posso te contar uma história? Sempre falo isso pros meus alunos no primeiro dia de aula. Gosto de contar a minha história pra quebrar o gelo. Pode ser que ela te ajude de alguma forma. Você que está pensando em estudar arquitetura, ou você que já está cursando arquitetura ou mesmo você que já está no mercado, pode se identificar, inspirar ou perceber caminhos que não quer trilhar de jeito nenhum. Fiquem tranquilos será uma versão pocket, é rapidinho.

Minha escolha pela arquitetura

Acredito que tive sorte. É… porque escolher uma profissão com 16 ou 17 anos e acertar deve ser sorte, só pode ser. Será que temos maturidade suficiente para isso? Bom, mas essa é uma outra história. Nosso papo aqui é outro, uma vez escolhido, o que devo fazer?

Desde pequena gostei de casas. Meu programa predileto de final de semana era pedir pro meu pai me levar no bairro Mangabeiras aqui em BH para eu ficar vendo e sonhando com as casas…

Brincar de boneca? Adorava! Não pelas bonecas mas pela casa que eu criava para elas. Cada dia de um jeito. Já dormia pensando nas mudanças que faria no dia seguinte. E assim me divertia.

Não acho que todo mundo dá sinais na infância da profissão que vai seguir…de jeito nenhum. Mas é que comigo realmente aconteceu isso. Mas por incrível que pareça eu nem falava na profissão.

Anos depois, eu estava com 15 anos e queria muito ir a uma festa. Meu pai falou que era longe, difícil, perigoso me buscar lá de madrugada…aquelas coisas…

Rapidamente fiz um mapa para ele, explicando como chegar. Meu pai abriu um sorriso quando viu o mapa e naquele dia foi a primeira vez que tocamos nas palavras arquitetura e urbanismo.

Escolha feita.

Meu curso

Foram 5 anos intensos. Claro! Quem me conhece sabe que se não for pra ser intenso eu nem vou.

Sempre fui tranquila feito furacão. Já no terceiro período comecei a fazer estágios. Foquei em design de interiores que sempre foi minha grande paixão. Mas uma faculdade e um estágio era pouco pra mim. Sempre ligada no 220v, no meio do curso resolvi encarar o curso de Decoração na UEMG. Dessa forma, me aventurava em dois cursos superiores durante o dia e estagio a noite. Sim! À noite! Em uma escola de AutoCAD. AutoCAD era super novidade na época.

Ainda como estudante me tornei instrutora de Cad dentro da Escola de Arquitetura e lá fiquei por anos ensinando e preparando os novos arquitetos.

No último ano do curso, quando bate aquele aperto, medo e frio na barriga, resolvi dar uma desacelerada. Sei que fui privilegiada, mas meu esforço e dedicação me deram uma oportunidade agradeço todos os dias ate hoje. Tranquei matrícula na faculdade, preparei a mochila e parti pra Milão. Fiz um curso de Design de Interiores e Iluminação, e depois História da Arte. Finalizada minha temporada bateu um desespero de voltar e arrumei a mochila novamente. Fui para Londres. Sobrevivi trabalhando de garçonete enquanto desenvolvia meu inglês.

Meses de muita experiencia e aprendizado. Finalizada a curva que criei pro meu caminho, voltei e encarei o TFG (trabalho final de graduação).

 

Enfim arquiteta

Feliz? Não! Apavorada. Não tinha dinheiro nenhum. Estava disposta a qualquer emprego, mesmo se não fosse na área. Hora de colocar o networking para agir. Liguei para o Gustavo Greco, que na época era um designer foda e hoje eu não tenho nem adjetivo para descreve-lo. O cara hoje é uma das principais referências do design no mundo. Bom, pedi para o Gustavo usar o networking dele e me arrumar um emprego. BINGO! Deu certo. Trabalhei dois anos na loja de móveis mais chique de BH. TETUM. Foi lá que aprendi muito do que sei hoje. Tanto na vida profissional quanto pessoal.

Depois disso trabalhei em marcenaria, aprendi no chão de fabrica sobre execução de mobiliário. E durante todo o tempo dando aulas de AutoCAD a noite na Escola de Arquitetura.

Me estabilizei. Ganhei o dinheiro que precisava naquele momento e criei coragem e asas. De lá pra cá muita coisa aconteceu. Era hora de empreender.

Eu hoje

Com mais de 15 anos de formada, posso dizer que estou bem feliz. Passei pelo caminho tão sonhado do escritório próprio, dezenas de projetos executados, muitas participações em mostras de decoração, entre elas 3 Casa Cor. Me formei sonhando com isso! Era o que eu queria e me imaginava fazendo.

Lembra aquele ritmo insano que eu levava durante a faculdade? Pois é…continuou. Abri escritório, abri minha própria escola de softwares, me especializei em Design de Interiores, me tornei mestre em Arquitetura e Urbanismo, o que possibilitou me tornar professora universitária e anos depois eu abri um estúdio de design.

Com o leque já bem aberto e experimentando de tudo resolvi fechar o escritório no ano que tiver maior número de projetos. Isso me dá tranquilidade e calma para dizer que fiz o que meu coração mandou naquele momento.

Criei coragem e me declarei empresária. Hoje estou à frente da Escola Desenhar e do Stark Studio. Já teria muito orgulho de parar por aqui. Mas… minha paixão por compartilhar experiencias não me deixa fora da vida acadêmica. Sou professora nos cursos de Arquitetura e Design de Interiores na UNA. Eu realmente sou apaixonada por compartilhar experiencias. Isso me move. Por isso me dedico tanto a Escola Desenhar. Gosto de participar da formação de novos profissionais. Gosto de ajudar, tirar dúvidas, arrumar empregos, contar histórias…

Bom, essa sou eu. A Juliana da Desenhar. Minha história me ensina que as vezes o desespero bate mesmo. Me ensina que podemos mudar de ideia. Me ensina que quando a gente gosta e faz com vontade, dá certo.

 

 

A arquitetura é generosa

Isso tudo é pra dizer que o guarda-chuva é grande…bem grande…eu só tenho a agradecer a arquitetura por tamanha generosidade.

Eu tenho amigos no patrimônio, na arquitetura hospitalar, comercial, residencial, interiores, mobiliário, prefeitura, sudecap, lojas, ou trabalhando em escritórios de terceiros…

Seja qual for o caminho, saiba que não será fácil. Fácil não é. Sempre que penso: “está difícil”, uma voz interna me lembra: “se fosse fácil qualquer um faria”.  Ah é! Lembrei.

Então posso te dar um conselho? Experimente. Aproveite. Descubra-se. Se quiser, mude.